História dos Símbolos de Portugal

Portugal tem, além da bandeira verde-rubra, um conjunto de outros símbolos que portugueses e estrangeiros identificam como representativos do país, ou de uma certa ideia de nacionalidade. Aqui ficam alguns dos principais símbolos de Portugal:

Galo de Barc2717378271_c8da66c132_b (1)elos

O galo está associado a uma lenda antiga, segundo a qual um galo morto ressuscitou miraculosamente, para impedir que um homem inocente fosse condenado pela justiça. O símbolo é, desde há décadas, um dos “souvenirs” mais associados pelos turistas ao nosso país.

Escudo das
Cinco Quinas e Esfera Armilar

Os ícones que estão ao centro da bandeira nacional são facilmente reconhecidos de forma isolada, e também utilizados dessa forma. A esfera armilar representa o papel de Portugal nas Descobertas, enquanto a origem do escudo com as cinco quinas e os sete castelos é muito debatida; popularmente, prevalecem as teses (mitológicas e provavelmente incorretas) de que as quinas representam cinco reis mouros derrotados por D. Afonso Henriques na batalha de Ourique, e os castelos 7 fortalezas tomadas também aos muçulmanos.

Cruz de Cristo

A cruz grega dos Templários manteve-se como símbolo da Ordem de Cristo, “nacionalizada” por D. Dinis aquando da extinção dos Templários por ordem do papa. A Ordem de Cristo, através do Infante D. Henrique, viria a ser a principal força dinamizadora dos Descobrimentos, transportando o símbolo nas velas dos seus navios.

Zé Povinho

No século XIX, Rafael Bordalo Pinheiro criou uma personagem provinda das classes rurais, um homem analfabeto, rústico, mas humilde e trabalhador; esperto, mas desarmado contra os “desmandos” das elites; eternamente condenado a sofrer os abusos das classes políticas. Nascia o Zé Povinho, símbolo de protesto político, cuja popularidade se mantém até hoje.

Logótipo da Federação Portuguesa de Futebol

Estranho? Este símbolo é relativamente indiferente em Portugal, mas é muito valorizado pelas comunidades portuguesas no exterior, principalmente as aficionadas por futebol, como a de França. O motivo é simples e está ligado à identificação que os emigrantes fazem com a Seleção de futebol, ela própria enquanto símbolo de “portugalidade”. O próprio Cristiano Ronaldo é, globalmente, identificado como um símbolo de Portugal.